Montreal desponta como polo de desenvolvimento de inteligência artificial 

Foto: Mila Burns entrevista o biólogo Pedro Peloso Crédito: Globo/ Divulgação

Em reportagem da colaboradora Roberta Sentimi, o pesquisador brasileiro João Felipe dos Santos destaca a ascensão da tecnologia em diversos setores da indústria

A inteligência artificial ainda soa como ficção científica para muitos, mas a verdade é que ela já faz parte do nosso dia a dia. O assunto é tema de reportagem da colaboradora Roberta Setimi, que vai ao ar no ‘Globo Notícia Américas’ deste domingo, dia 22.  Direto de Montreal, no Canadá, a jornalista mostra que, além de a cidade ser uma das mais beneficiadas do boom no setor, alguns profissionais brasileiros também estão por trás desse mercado, entre eles o pesquisador João Felipe dos Santos. “Inteligência artificial não significa construir o ‘exterminador do futuro’. Hoje em dia, todos nós a usamos o tempo todo, seja quando fazemos uma busca na internet, traduzimos um texto ou escutamos coordenadas de trânsito do GPS. Tudo isso é inteligência artificial”, explica João Felipe. Na cidade, João iniciou um curso de mestrado em 2012 e se especializou no assunto. Trabalha hoje em dos mais importantes laboratórios da área do mundo, liderado pelo renomado professor Yoshua Bengio, da Universidade de Montreal. Ainda no encontro, João ressalta que a tecnologia traz avanços tecnológicos importantes como, por exemplo, o desenvolvimento de aplicações médicas que possam ajudar a detectar tumores. De acordo com o pesquisador, essa tecnologia irá no futuro tomar conta de praticamente todas as indústrias.

Também neste domingo, a jornalista Mila Burns recebe nos estúdios da Globo, em Nova York, o biólogo Pedro Peloso, para falar sobre a mobilização de organizações não-governamentais do mundo todo pela preservação não apenas da Amazônia, mas também de milhares de espécies que habitam a região. Pedro lembra que a floresta está sendo desmatada em uma taxa bastante acelerada e, consequentemente, muitas espécies da região estão desaparecendo antes mesmo que biólogos possam catalogá-las. “Várias áreas perto da região de Belém, por exemplo, estão sendo desmatadas e ainda estamos desvendando novas espécies de animais vertebrados por lá, como sapos e lagartos”, explica. Mila levanta um dado recente, de um estudo da World Wildlife Fund (WWF), a respeito de várias novas espécies nativas da Amazônia. A pesquisa mostra que há mais de 300 novas espécies descritas entre 2014 e 2015. Na opinião do biólogo, é impossível preservar toda a Amazônia, mas enfatiza que sem um conhecimento maior sobre a sua biodiversidade, torna-se mais difícil detectar quais áreas devem ser priorizadas.

Na edição, a jornalista comenta os riscos de contaminação da água em Porto Rico, quase três semanas após a passagem do furacão Maria na região.

O ‘Globo Notícia Américas’ vai ao ar neste domingo, dia 22, às 19 horas, horário de Nova York.

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Comments are closed.