Vôo cego

Grande aposta brasileira no Mundial de Atletismo Paraolímpico de Londres, Lorena Spoladore esbanja confiança e lança o canal “Cegas em Ação”, no YouTube.

por Luiz Humberto Monteiro Pereira
humberto@esportedefato.com.br

Entrevista com a atleta paralímpica Lorena Spoladore. Foto: Marcio Rodrigues/MPIX/CPB

Paranaense de Maringá, Lorena Spoladore se considera goiana. Quando ela começou a perder a visão gradativamente desde os primeiros dias de vida, em consequência de um glaucoma congênito, a família mudou-se para Goiânia em busca de tratamento. E foi na capital de Goiás que ela, aos 4 anos, ficou totalmente cega. Aos 9, um técnico que estava formando um time com atletas mirins a convidou para conhecer o atletismo. Aos 11, participou pela primeira vez de uma competição oficial. Em 2012, entrou para a seleção brasileira de jovens e no ano seguinte, com 17 anos, conquistou a medalha de ouro no Mundial adulto, em Lyon, na França. Nas Paraolimpíadas do Rio, em 2016, vinda de uma contusão, conquistou uma medalha de prata no revezamento 4 por 100 metros T 11-13 e outra de bronze, no salto em distância categoria T11. Aos 21 anos, é uma das grandes apostas brasileira para o Mundial que acontece em julho, em Londres.

No Open Loterias Caixas, em abril passado, conquistou ouro no Superdesafio dos 100 metros feminino com a marca de 12.03 segundos, recorde do campeonato e segunda melhor marca da história de uma brasileira. Mas sua maior expectativa são as Paraolimpíadas de Tóquio, em 2020. “Acho que vai ser o meu auge”, acredita Lorena, que atualmente mora em São Paulo, onde treina diariamente no Centro de Treinamento Paraolímpico. Há dois meses, aproveita as folgas dos treinamentos para gravar vídeos para o canal “Cegas em Ação”, no YouTube (www.youtube.com/c/cegasemacao), que criou com a também atleta Gabriela Vieira. “O canal está crescendo muito rápido, já temos mais de 530 inscritos e cinco mil visualizações”, comemora.

Esporte de Fato – Como se iniciou no atletismo?
Lorena Spoladore – Foi através de um professor de Educação Física que estava em Goiânia à procura de novos atletas. Na época eu fazia balé em um centro de apoio para pessoas com deficiência visual, e ele foi até lá para procurar crianças que tivessem interesse no esporte. Como sempre fui muito hipérativa, já fui me interessando. Foi uma coisa bem lúdica. Com 11 anos, participei da primeira competição oficial e descobri que aquilo seria o meu trabalho e o meu futuro.

Esporte de Fato – Como avalia suas possibilidades para os Jogos Tóquio 2020?
Lorena Spoladore – Vou estar com 24 anos e meu já corpo vai suportar um nível de treinos muito grande. Devo estar no ápice de minha forma. Quero três medalhas de ouro e, se eu já não tiver batido os recordes mundiais dos 100 metros rasos e do salto em distância, espero brigar por eles lá.

Esporte de Fato – Após os Jogos do Rio, muitos atletas brasileiros encontraram dificuldades em renovar contratos com seus patrocinadores. Como você avalia essa questão?
Lorena Spoladore – Houve uma queda de patrocinadores, do Governo inclusive, mas isso já era esperado. Infelizmente, as pessoas acham que, por que passaram os Jogos Rio 2016, acabou. Essa queda é prejudicial na preparação para 2020, mas ainda há pessoas que continuam ao nosso lado. O jeito é contar com o que a gente tem, com os parceiros que ficaram. Para minha sorte, só tive um patrocinador que não renovou. Continuo tendo o apoio das Loterias Caixa, do Ministério dos Esportes e a Clínica Salute e entrei também no Time São Paulo. No meu caso, não foi tão ruim, mas tenho colegas que ficaram bastante prejudicados.

Esporte de Fato – Quais são as suas atividades fora do esporte?
Lorena Spoladore – Moro em São Caetano do Sul e treino aqui também. Me dedico aos treinos em período integral, de segunda a sexta e nos sábados de manhã. No final de semana, encontro os amigos e às vezes fazemos churrasco. De vez em quando viajo para Goiânia, onde meus pais e meu namorado moram. Fiz faculdade de Direito, mas tranquei para me concentrar nas Paraolimpíadas. Aproveitei esse ano para treinar para o Mundial, mas pretendo voltar à faculdade no semestre que vem. Outra coisa que adoro é curtir o meu cachorro Eros – sou apaixonada por animais e ele é uma das maiores alegrias da minha vida.

Esporte de Fato – Como suriu a ideia do canal “Cegas em Ação”?
Lorena Spoladore – O “Cegas em Ação” é um canal do YouTube onde eu e a Gabriela Vieira procuramos, de uma forma desontraída e informal, conscientizar as pessoas de que cegos, assim como qualquer outro deficiente, não são coitadinhos. Mostramos as coisas que acontecem em nosso dia a dia e também as gafes das pessoas em relação a gente, tiramos dúvidas, mostramos como gostamos de ser tratados. Tivemos a ideia no final do ano passado e colocamos no ar há dois meses. Meu namorado, o Bruno, ajuda na edição das imagens e a minha equipe de assessoria também dá uns toques. Temos novos vídeos todas as segundas. Temos quadros como o “Cegas News”, onde comentamos notícias bizarras, e em breve teremos o “Cegas na Cozinha”. Vamos mostrar como é que a gente se vira no fogão!

Foto capa: Marcelo Regua/MPIX/CPB (correndo)

Curta a página de “Coluna Esporte de Fato” no Facebook em facebook.com/colunaesportedefato

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Comments are closed.