Vivendo numa cidade multicultural

Um relato que fala sobre as experiências multiculturais mais marcantes em Toronto.

flag

Por Eder Seikitsmi Arashiro Costa

Neste relato, tentarei compartilhar um pouco das muitas experiências maravilhosas que tive aqui no Canadá. Abordarei tópicos diversos, desde comida a diferenças culturais.

Desembarquei na terra do alce no dia 25 de novembro e fazia 4 Cº – três dias após o meu aniversário, não poderia pedir por um presente melhor. A minha primeira impressão ao chegar em Toronto foi positiva, com exceção do frio. Quando estava no metrô carregando minha pequenina mala e todo perdido tentando chegar na minha homestay, fui abordado por uma senhora que me ajudou explicando sobre como chegar ao meu destino. Fiquei surpreso com a ajuda inesperada e ainda mais abismado com a cordialidade e educação. As primeiras palavras que ouvimos ao chegar aqui são sorry e thanks.

Não quero me gabar, mas nós, brasileiros, temos a melhor comida do mundo; comemos muito bem e barato. Aqui, o almoço não é a refeição mais importante, então não se surpreenda quando sua host mother preparar somente lanches para o almoço. Eu aproveitei essa diferença cultural para reeducar a minha alimentação: comer porções menores e mais vezes ao dia, além de diminuir a quantidade de carne. Aproveitei para conhecer outras culinárias, como na semana passada, quando almocei num restaurante grego. Toronto tem cozinha para todos os gostos e, até o momento, já comi comida mexicana, tailandesa, indiana, grega e coreana.

Eu sou 1/4 japonês, fato que espantou muitos japoneses, já que muitos deles não sabem que o Brasil possui a maior colonia japonesa no mundo. Quando eu falei que sushi, sashimi e mochi são comidas famosas no Brasil, ficaram espantados. Se você realmente quiser surpreendê-los, cumprimente-os da forma brasileira, com um abraço e um beijo, só tome cuidado para nao serem acusados de harassment.

Outra coisa que aprendi é que os italianos falam mais com os braços do que por palavras. Conheci mexicanos que cantam Ai se eu te pego! e até turco-mulçumano que come bacon. Descobri que a língua mãe na Bélgica é o francês e tomei soju (bebida alcoólica coreana), que me deu a pior ressaca pós universidade.

A vida no Canadá proporciona um mar de novas experiências. Eu conheci mexicanos, italianos, belgas, venezuelanos, japoneses, coreanos, árabes e turcos. Conheci uma familia de filipinos, que era a minha host family, e fui para Niagara com eles. Fui ao Estados Unidos pela primeira vez, aprendi a esquiar, sobrevivi a -23 Cº, presenciei a pior nevasca dos últimos cinco anos, melhorei o meu inglês, aprendi a cozinhar novos pratos, fui para vários festivais, assisti ao show do Bon Jovi e vi a banda Heart tocar Stair Way to Heaven. Isso tudo e o verão não chegou na metade.

Aproveite cada minuto em Toronto porque o tempo passa voando quando estamos aqui. Obrigado pela oportunidade de compartilhar um pouco das minhas experiências e aproveitem tudo que essa cidade fantástica tem para oferecer.

Eder Seikitsmi Arashiro Costa tem 24 anos e nasceu no Mato Grosso do Sul. Ele veio para o Canadá para estudar inglês, trabalhar e abrir novas oportunidades na vida.

Tags: , , , , , , ,

Comments are closed.